quarta-feira, 25 de julho de 2012

171 - O Pagador de Promessas (idem) – Brasil (1962)



Direção: Anselmo Durte
Roteiro: Anselmo Durte; Dias Gomes
Zé do Burro faz uma promessa a Iansã em um terreiro de candomblé e, para cumprir, precisa levar uma cruz à Igreja de Santa Bárbara. Mas, para conseguir, precisa enfrentar a resistência do clero, a truculência da polícia e o oportunismo da imprensa e das pessoas ao seu redor.

Dá uma sensação especial saber que nas escadarias em que às terças-feiras eu dançava ao som de Gerônimo, uma vez subiu Zé do Burro.
A escadaria continua lá e por lá circulam baianos, turistas, artistas, ladrões, políticos, viciados em crack, católicos e candomblecistas. No dia de 4 de dezembro, Santa Bárbara continua virando Iansã e todo mundo continua comendo caruru.
Os jornais continuam explorando pautas sensacionalistas, desprovidos de ética; tudo continua virando festa na cidade; e a polícia continua sendo o braço armado na defesa dos interesses dos poderosos.
O que mudou é que, se fosse hoje, Zé do Burro entraria facilmente na igreja. A fé do baiano é tão curiosa que católico leva flores para Iemanjá e babalorixá só faz santo em menino batizado. Vai entender...
Em O Pagador de Promessas o que se vê é uma tríade que vai além da religião: ignorância, desrespeito, violência. É a ignorância do padre, por satanizar algo que ele desconhece; daí, vem o desrespeito, ao vetar e difamar Zé do Burro; culminando na violência moral e física contra o frágil homem que não abriu mão de suas convicções.
O que não falta hoje em dia é ignorância... talvez isso justifique tanta violência banal. Ignorância, desrespeito e violência.
Por essas e outras que O Pagador é lendário. Vai ser sempre lembrado como “o primeiro filme brasileiro a ganhar a Palma de Ouro de Cannes” – e por enquanto o único. Mais um importante clássico da filmografia baiana, mesmo tendo sido realizada pelo "estrangeiro" Anselmo Duarte.


Minha Nota: 8,6
IMDB: 8,1
ePipoca: 9,3

Sugestão: Barravento

Download:

13 comentários:

  1. Grande clássico, um dos melhores filmes brasileiros de todos os tempos.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Ainda, não conheço essas escadarias, mas deve ser mágica e histórica.

    Amigo esse filme é muito atual, infelizmente.

    Anos atrás fui convidado, pela 2001 vídeo aqui de SP, a escolher os 5 melhores filmes da minha vida e O Pagador de Promessas estava, merecidamente entre eles.

    Amo o contexto do filme. A série, apesar de também apreciar, ainda fica uma escadaria abaixo em meu gosto pessoal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se é a mesma Igreja da série que passou na Globo, mas em 2011 visitei o pelourinho e o que encontrei foi uma Igreja abandonada pelo poder público. lamentável.

      Excluir
    2. A escadaria é mágica sim; há uma forte egrégora envolvendo o local. A igreja se chama "Igreja dos Passos de Santa Bárbara". Mas está completamente abandonada. Visitei o Pelourinho a alguns anos, e ela está completamente destruída: as portas estão com a madeira envelhecida e com buracos, e os vitrais estão quebrados. O poder público da Bahia só reformou o que lhe é conveniente no Pelourinho: as casas onde Michael Jackson gravou o clipe nos anos 90, e algumas igrejas. A igreja dos passos de Santa Bárbara está abandonada.
      Eu também fiquei muito arrepiado quando visitei as escadarias de lá, e me sentei por vários minutos, nos mesmos locais onde o Zé do Burro se sentou, comeu acarajé e deixou a cruz. É uma escadaria muito íngreme e alta, que liga a rua de cima (da igreja) à rua de baixo (por onde a procissão de Santa Bárbara vem pra entrar na igreja). Esse filme é épico e lendário, e tanto o filme quanto a minissérie (feita por Dias Gomes) foram lendários. Concordo perfeitamente com o comentário: hoje, Zé do Burro entraria fácil na igreja, por causa do discurso politicamente correto da tolerância religiosa....

      Excluir
  3. Filmaço!

    Detalhe, na história, Zé do Burro sai de sua roça em Monte Santo. Aprazível cidade que fica ao lado de Euclides, a qual já estive muitas vezes, e que serviu de cenário para Deus e o Diabo na Terra do Sol.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxando sardinha pro seu lado, né... hehe

      Excluir
  4. Este filme e "Assalto ao Trem Pagador" (1962) são os melhores da cinematografia nacional que já assisti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo muito bom. "Assalto" eu ainda não, mas em breve verei e postarei por aqui.

      abraço

      Excluir
  5. o link ão funciona mais. alguém ainda tem o filme com legenda em portugues ai?

    ResponderExcluir