sábado, 2 de abril de 2016

[ESPECIAL] SUSPENSÃO DO BLOG + PACOTE DE ANIVERSÁRIO

Hoje o 366filmesdeaz completa 4 anos de existência. Mas não há muito o que comemorar. O atual cenário político do Brasil compromete qualquer celebração, sobretudo quando contrasta com os princípios básicos desse blog. Sua criação foi despretensiosa. Mas sua manutenção se deu baseado em valores: democratizar a comunicação e compartilhar cultura. Sem nenhum retorno financeiro. A única recompensa é saber que os filmes estão sendo espalhados por todos os continentes do planeta; que existe gente que tira um tempo do seu dia para comentar, enviar emails, mensagens e contribuir; e até mesmo os que não se manifestam, mas vêm passear pelo blog: os mais de mil diariamente e mais de um milhão de pessoas nesses últimos anos.

Foram quatro anos ininterruptos, o que aumenta o peso da decisão.

A partir de hoje, os trabalhos do 366filmesdeaz estão suspensos por tempo indeterminado. 

A decisão é política. 

É uma forma de protestar contra o golpe em curso existente no país. Um golpe armado por setores da sociedade cujos valores são antagônicos aos desse blog. Aqui se constrói democracia. Aqui se respeita a diversidade. Aqui se aceita o contraditório. Aqui se defende a pluralidade. Aqui se busca liberdade. Aqui se planta amor. Aqui contribui para as transformações políticas, culturais, sociais e humanas. E em nome desses valores, o 366filmesdeaz se posiciona contra o Golpe e à favor da Democracia, por mais imatura e restrita que ela seja no nosso país.

O pouco tempo que tinha disponível para manter o blog ativo será usado para fortalecer as mobilizações de resistência ao golpe, mas também para cuidar de questões pessoais. Espero contar com a compreensão dos visitantes, dos amigos e amigas que fiz por aqui. O 366filmesdeaz continua no ar, mas sem atualizações, por tempo indeterminado.

E para não deixar o aniversário passar em vão, segue um pacote especial com o torrent de 64 filmes que nos ajudam a entender que país é esse e como viemos parar aqui. Filmes para a gente conhecer a nossa história. E lembrar, para nunca mais repetir 1964.

Um abraço e até breve!
Seguiremos adiante!

Alex Pegna Hercog (Az)


Download:
Torrent (Pacote com o torrent de 64 filmes)


1. Como era gostoso o meu francês (1971) – ficção
Direção: Nelson Pereira dos Santos
No Brasil de 1594, um aventureiro francês prisioneiro dos Tupinambás escapa da morte graças aos seus conhecimentos de artilharia.

2. Terra dos Índios (1979) - documentário
Direção: Zelito Viana
Um prólogo de Darcy Ribeiro coloca historicamente o confronto entre o índio e a civilização branca.

3. Quilombo (1984) - ficção
Direção: Cacá Diegues
Num engenho de Pernambuco, por volta de 1650, um grupo de escravos se rebela e ruma ao Quilombo dos Palmares, onde existe uma nação de ex-escravos fugidos que resiste ao cerco colonial, entre eles Ganga Zumba, um príncipe africano.

4. Quanto vale ou é por quilo (2005) - ficção
Direção: Sergio Bianchi
Uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada.

5. Carlota Joaquina, Princesa do Brazil (1995) - ficção
Direção: Carla Camurati
A princesa espanhola é prometida aos dez anos de idade a dom João VI e, ao se casar, vai para Portugal. Quando assumem a coroa, são confrontados com o medo da Revolução Francesa e vêm ao Brasil, sua então colônia.

6. Abolição (1988) - documentário
Direção: Zózimo Bulbul
Produzido em 1988, faz o resgate de 100 anos de abolição no país, através de um olhar negro.

7. Mauá - O Imperador e o Rei (1999) - ficção
Direção: Sérgio Rezende
Filme que remonta episódios da vida de Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, o primeiro grande capitalista brasileiro.

8. Guerra de Canudos (1997) - ficção
Direção: Sérgio Rezende
Na República Velha, Antônio Conselheiro lidera um vilarejo com cerda de 25 mil sertanejos humildes em uma guerra contra a República.

9. Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) - ficção
Direção: Glauber Rocha
Depois de matar o patrão, o vaqueiro Manuel e sua mulher Rosa vagam pelo sertão, encontrando um deus negro, um diabo loiro e o temível Antônio das Mortes.

10. Coronel Delmiro Gouveia (1978) - ficção
No início do século, no nordeste brasileiro, pioneiro da indústria nacional é perseguido por se recusar a vender sua fábrica para industriais britânicos.

11. Tristeza do Jeca (1961) - ficção
Direção: Amácio Mazzaropi, Milton Amaral
Dois políticos disputam a eleição e, para angariar votos, tentam enganar os eleitores, simples pessoas do campo, usando o Jeca como cabo eleitoral.

12. Memórias do cárcere (1984) - ficção
Direção: Nelson Pereira dos Santos
Nos anos 1930, o escritor Graciliano Ramos, acusado de colaborar com subversivos, é tirado de Alagoas e levado ao presídio de Ilha Grande, no Rio.

13. Getúlio Vargas (1974) - documentário
Direção: Ana Carolina
O filme reúne material produzido pelo DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) e músicas de época, reconstruindo o Brasil da Era Vargas (1930/45) e de seu segundo governo (1951-54).

14. O Velho - A História de Luiz Carlos Prestes (1997) - documentário
Direção: Toni Venturi
A trajetória de Luiz Carlos Prestes, de líder tenentista a secretário-geral do PCB, Luiz Carlos prestes foi um dos mais perseguidos políticos brasileiros do século 20.

15. Olga (2004) - ficção
Direção: Jayme Monjardim
A história da comunista Olga Benário e seu romance com o brasileiro Luís Carlos Prestes, durante o governo constitucional de Getúlio Vargas e a 2ª Guerra Mundial.

16. Tanga – deu no New York Times (1987) - ficção
Direção: Henfil
O ditador de uma república fictícia do Caribe recebe, diariamente, um exemplar do "The New York Times", enviado pelo sobrinho. Grupos de guerrilheiros tentam neutralizar o sistema de informação.

17. Os Anos JK - Uma Trajetória Política (1980) - documentário
Direção: Silvio Tendler
O filme aborda a história do Brasil: a eleição do presidente Juscelino Kubitschek, o nascimento de Brasília, a renúncia do sucessor Jânio Quadros, a crise política, o golpe militar e a cassação dos direitos políticos de JK.

18. Dom Helder Câmara - o santo rebelde (2004) - documentário
Direção: Erika Bauer
Documentário que revisita os pensamentos de Dom Helder Câmara. Mostra sua atuação como figura central da ala progressista da Igreja Católica e também sua atividade durante a ditadura militar.

19. Cabra Marcado Para Morrer (1984) - documentário
Direção: Eduardo Coutinho
O líder camponês João Pedro Teixeira é assassinado por ordem dos latifundiários do Nordeste. As filmagens de sua vida, interpretada pelos próprios camponeses, foram interrompidas pelo golpe militar de 1964. Dezessete anos depois o Diretor retoma o projeto.

20. Jango (1984) - documentário
Direção: Silvio Tendler
Um relato da vida política brasileira dos anos 60, tendo como fio condutor a biografia do presidente João Goulart.

21. Cidadão Boilesen (2009) - documentário
Direção: Chaim Litewski
História do dinamarquês Henning Boilesen, empresário que financiava a OBAN organização do Exército para reprimir a luta armada.

22. Marighella (2012) - documentário
Direção: Isa Grinspum Ferraz
Maior nome da militância de esquerda no Brasil dos anos 60, Carlos Marighella foi considerado o inimigo número 1 da ditadura militar brasileira.

23. Terra em Transe (1967) - ficção
Direção: Glauber Rocha
Vigorosa e visionária alegoria política sobre o Brasil, tendo como temas centrais o populismo, as utopias libertárias de esquerda e o concerto barroco de diversas culturas.

24. Batismo de Sangue (2007) - ficção
Direção: Helvécio Ratton
O filme se passa em São Paulo, fim dos anos 60. O convento dos frades dominicanos torna-se uma trincheira de resistência à ditadura militar que governa o Brasil.

25. Ação Entre Amigos (1998) - ficção
Direção: Beto Brant
Miguel convida três amigos para uma pescaria, dissimulando inicialmente os reais motivos da viagem – encontrar o homem que acredita ser seu torturador.

26. O que é isso, companheiro? (1997) - ficção
Direção: Bruno Barreto
História do sequestro do embaixador dos Estados Unidos, trocado por prisioneiros políticos na época da Ditadura.

27. O ano em que meus pais saíram de férias (2006) - ficção
Direção: Cao Hamburger
1970. Mauro um garoto mineiro de 12 anos, que adora futebol e jogo de botão. Um dia sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente para ele.

28. Pra Frente, Brasil (1982) - ficção
Direção: Roberto Farias
Em 1970, um pacato trabalhador da classe média é confundido com um ativista político e "desaparece".

29. Zuzu Angel (2006) - ficção
Direção: Sérgio Rezende
No Brasil, a carreira de Zuzu Angel como estilista começa a deslanchar enquanto seu filho Stuart ingressa no movimento estudantil, contrário à ditadura militar no país.

30. Cabra Cega (2004) - ficção
Direção: Toni Venturi
1971. A organização clandestina está debilitada e discute o abandono da luta armada. Do lado de fora, Mateus, o dirigente da organização, trabalha sem descanso para salvar o que restou de seus quadros. O cerco da repressão se fecha inexoravelmente.

31. Vlado: 30 Anos Depois (2005) - documentário
Direção: João Batista de Andrade
O documentário reconstrói o caso de tortura do jornalista Vladimir Herzog, morto numa cela do DOI-CODI em SP.

32. O País de São Saruê (1971) – documentário
Direção: Vladimir Carvalho
Documentário sobre a região sertaneja do Rio do Peixe (localizada no polígono nordestino da seca) e a evolução de suas atividades econômicas.

33. Lamarca (1994) - ficção
Direção: Sérgio Rezende
A história do capitão que, durante o período da ditadura militar no Brasil, desertou do exército brasileiro e se engajou em grupos de guerrilha contra o regime militar.

34. Você também pode dar um presunto legal (1971) – documentário
Direção: Sergio Muniz
Reflexão sobre a o Esquadrão da Morte e do Delegado Fleury, chefe do DOPS em São Paulo.  Filmado clandestinamente.

35. Bye Bye Brasil (1979) – ficção
Direção: Cacá Diegues
Artistas ambulantes cruzam o país com a Caravana Rolidei, fazendo espetáculos para o setor mais humilde da população brasileira e que ainda não tem acesso à televisão,  cruzando a Amazônia até chegar a Brasília.

36. Iracema, uma transa amazônica (1975) - ficção
Direção: Jorge Bodanzky; Orlando Senna
O filme faz um contraponto à propaganda oficial da época sobre a Amazônia, revelando as queimadas, o trabalho escravo e a prostituição infantil através da história da menina ribeirinha Iracema.

37. ABC da Greve (1990) - documentário
Direção: Leon Hirszman
Documentário sobre a greve de metalúrgicos ocorrida no ABC paulista em 1980, uma das maiores da história do Brasil.

38. Peões (2004) – documentário
Direção: Eduardo Coutinho
Metalúrgicos anônimos contam suas histórias de vida – entremeadas pelas greves no ABC. O filme retrata a origem e o fortalecimento dos sindicatos e mostra a visão pessoal dos trabalhadores sobre Lula e os rumos do país.

39. Eles não usam Black-Tie (1981) - ficção
Direção: Leon Hirszman
Conflito entre pai e filho, durante uma greve sindical.

40. O Homem que Virou Suco (1981) - ficção
Direção: João Batista de Andrade
Cantor de cordel é confundido pela polícia de São Paulo com operário que esfaqueou o patrão. Bem-humorado e inteligente estudo sobre a classe operária.

41. Terra para Rose (1987) - documentário
Direção: Tetê Moraes
A história de Rose, agricultora sem-terra que, com outras 1.500 famílias, participou da primeira grande ocupação de uma terra improdutiva, a fazenda Annoni, no Rio Grande do Sul.

42. Tapete Vermelho (2005) - ficção
Direção: Luís Alberto Pereira
Quinzinho é um caipira sonhador, morador de uma roça distante. Ele tem uma promessa a cumprir: mostrar para seu filho um filme de Mazzaropi no cinema.

43. Muito Além do Cidadão Kane (1993) - documentário
Direção: Simon Hartog
Documentário da BBC que mostra as relações promíscuas entre a Rede Globo e a Ditadura Militar. Vai da fundação da emissora ao Impeachment de Collor.

44. Uma Onda no Ar (1992) - ficção
Direção: Helvécio Ratton
A história da Rádio Favela, que surgiu nos anos 80, em uma grande favela de Belo Horizonte.

45. Quase dois irmãos (2004) - ficção
Direção: Lúcia Murat
Miguel é um senador que decide reencontrar Jorge, um antigo amigo de infância e atualmente poderoso traficante de drogas do Rio de Janeiro, para negociar um projeto social nas favelas.

46. A Negação do Brasil (2000) - documentário
Direção: Joel Zito Araújo
Com base numa análise da telenovela brasileira no período 1963-1997, o autor mostra o papel do negro, é uma viagem na história da novela no Brasil e particularmente uma análise do papel nelas atribuído aos atores negros.

47. Notícias de uma guerra particular (1999) - documentário
Direção: Katia Lund e João Moreira Salles
O documentário mostra o cotidiano de traficantes e moradores da favela Santa Marta, no Rio de Janeiro, entre 1997 e 1998.

48. Ônibus 174 (2002) - documentário
Direção: José Padilha
O documentário narra a história do sequestro do ônibus 174, no Rio de Janeiro, em 2000 e também a vida do sequestrador, menino de rua, sobrevivente da chacina da Candelária.

49. Preto contra Branco (2005) - documentário
Direção: Wagner Morales
Desde 1972, um grupo de moradores do bairro de São João Clímaco e da favela de Heliópolis organizam um jogo de futebol de brancos contra pretos em um campo de várzea.

50. Justiça (2004) - documentário
Direção: Maria Augusta Ramos
O filme retrata, de forma particular, a rotina do Judiciário e do sistema prisional brasileiro.

51. O Prisioneiro da Grade de Ferro (2004) - documentário
Direção: Paulo Sacramento
O cotidiano do maior presídio da América Latina: Carandiru.

52. Entreatos (2004) - documentário
Direção: João Moreira Salles
O documentário retrata o dia a dia do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de 2002.

53. Memória Para Uso Diário (2007) - documentário
Direção: Beth Formaggini
Um filme que documenta a luta do grupo Tortura Nunca Mais a partir de pessoas que, apesar das memórias traumáticas, fazem questão de lembrar e de fazer com que suas histórias não sejam esquecidas.

54. Esse homem vai morrer – um faroeste caboclo (2008) - documentário
Direção: Emilio Gallo
Pretende revelar como um sonho que atraiu um punhado de brasileiros até o munícipio de Rio Maria, sul do Pará, se tornou a história de um sentença: 14 pessoas marcadas para morrer.

55. Utopia e Barbárie (2009) - documentário
Direção: Silvio Tendler
O documentário transita por alguns dos episódios mais polêmicos da história mundial recente, como as bombas de Hiroshima e Nagasaki, o Holocausto, a Revolução de Outubro, o ano de 1968 no mundo, a Operação Condor, a queda do Muro de Berlim e a explosão do liberalismo

56. Ao sul da fronteira (2009) – documentário
Direção: Oliver Stone
O diretor Oliver Stone viaja por seis países da América do Sul e Cuba, em uma tentativa de compreender o fenômeno que os levou a ter governos de esquerda na primeira década do século XXI.

57. Garapa (2009) - documentário
Direção: José Padilha
Por quatro semanas, a equipe de Padilha acompanha a realidade da fome no Brasil a partir do cotidiano de três famílias cearenses.

58. Um lugar ao sol (2009) - documentário
Direção: Gabriel Mascaro
Documentário que reúne depoimentos de moradores de luxuosas coberturas de Recife, Rio de Janeiro e São Paulo.

59. O Som ao Redor (2012) - ficção
Direção: Kleber Mendonça Filho
A vida numa rua de classe-média na zona sul do Recife toma um rumo inesperado após a chegada de uma milícia que oferece a paz de espírito da segurança particular. Uma crônica brasileira, uma reflexão sobre história, violência e barulho.

60. Militares da Democracia – Os militares que disseram NÃO (2014) - documentário
Direção: Silvio Tendler
Eles lutaram pela Constituição, pela legalidade e contra o golpe de 1964, mas a sociedade brasileira pouco ou nada sabe a respeito dos oficiais que, até hoje, ainda buscam justiça e reconhecimento na história do país.

61. A Partir de Agora (2014) - documentário
Direção: Carlos Pronzato
Realizado a partir de entrevistas com ativistas de cinco capitais brasileiras, o material não é apenas uma ferramenta para o debate e a compreensão das Jornadas de Junho, mas também um instrumento de organização da luta política.

62. O Veneno Está na Mesa 2 (2014) - documentário
Direção: Silvio Tendler
O filme atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública.

63. Tropa de Elite 2 - O Inimigo Agora É Outro (2010) - ficção
Direção: José Padilha
Os acontecimentos de Tropa de Elite 2 ocorrem treze anos após os do primeiro filme. Um dos seus focos é o amadurecimento do então Coronel Nascimento.

64. O mercado de notícias (2014) – ficção/documentário
Direção: Jorge Furtado
Jornalistas renomados discutem o papel da mídia e sua influência na democracia entre atos da peça cômica "O Mercado de Notícias", de Ben Jonson.


50 comentários:

  1. É uma pena mas entendo. E é o que tenho dito a alguns amigos que golpe se barra nas ruas. A internet é uma grande ferramenta de luta mas a presença popular em cada canto do país ainda é a maior delas. Voltaremos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, meu velho. Atuar em diversas frentes é importante, mas agora chegamos num ponto crucial. Fundamental é presença nas ruas mesmo.
      Mas voltaremos, sim!!
      abraço
      Az

      Excluir
  2. Solidarizo-me com você! O Brasil vive dias difíceis. Somente a rua e conhecimento da história para nos livrar do fascismo. Um forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carlinus. Forte abraço pra você também!

      Excluir
  3. putz, que final inglório pro blog, amiguinho.
    terminar assim, postando um monte de lixo só para mostrar o seu "nacionalismo" e revoltinha sei lá com o quê?
    o que tem o Cuh a ver com as calças?
    vai pegar em armas então e não enche o saco.
    ps: de qualquer maneira obrigado pelos bons filmes que postou e compartilhou generosamente com o povão que frequenta aqui, hehehehh
    cinema é arte universal, não tem nada a ver com problemas de república bananense de quinto mundo!
    ficou totalmente nonsense a sua postagem final.
    desses filmes nacionais aí só uns 10 no máximo são assistíveis, infelizmente.
    uma indigência intelectual que cresce a cada dia, seja lá em que governo for. Que pena que você embarcou nessa canoa furada e mistura alhos com bugalhos....
    Alguém está lá se importando com a sua militância de araque?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. claro que sim!! me importo e me solidarizo com uma pessoa capaz de criar um projeto tão bacana e bonito... me interessa e muito o que essa pessoa tem a dizer!!! agora, já a sua agressividade e pretenciosa fala sobre política... e sobre o cinema nacional... eu dispensava fácil fácil.

      Excluir
    2. Disse tudo o eu que queria dizer. Tchau querido, fique com sua ideologia comunista, não fará nenhuma falta.

      Excluir
    3. OPA! OPA!!
      Mais um alguém aqui que se importa.
      Importa-se com o direito a militância, se importa pelo direito de seguir escolhas.
      De fato o cinema é uma arte para todos, universal mesmo deveria ser educação, não digo apenas a de escola, mas a que se aprende quando se começa a ter respeito e consideração pela opinião dos outros.
      Sabe anônimo, eu até me importo com a existência de pessoas como você, até me importo pelo seu direito de expressar sua opinião, porque além de ter dado atenção ao que você escreveu estou a responder sua pergunta, mas não é só isso, estou fazendo melhor, estou contribuindo para sua primeira preleção sobre democracia ética e civilidade.
      Enfim não precisa agradecer isso já seria esperar muito para uma primeira aula e você não me parece tão bom assim para entender logo de início.
      Soli

      Excluir
  4. O momento político é muito delicado e exige de cada um de nós o mínimo de esforço pra conter o golpe que se articula. A escalada fascista toma proporções nunca imaginadas e preocupa seriamente os verdadeiros democratas. Vou sentir falta das suas postagens, mas o motivo é nobre. Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
  5. O momento político é muito delicado e exige de cada um de nós o mínimo de esforço pra conter o golpe que se articula. A escalada fascista toma proporções nunca imaginadas e preocupa seriamente os verdadeiros democratas. Vou sentir falta das suas postagens, mas o motivo é nobre. Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
  6. Puxa, uma pena... descobri o blog faz pouquíssimo tempo... me delicio com seus textos e escolhas... acho bacana demais os "combos" (rsrs) que você nos oferta, nos presenteia. Espero mesmo que conciliar militância aqui e lá seja algo que você volte logo a fazer. Cinema também é política, não se esqueça ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :) Obrigado, Maíra. Felizmente tem muito filme pra ser visto, até que eu consiga voltar a fazer novas postagens. Obrigado pelas palavras, esse tipo de retorno é o que me motiva a tocar esse projeto. Sim, cinema também é política. Não esqueço não. :)
      abraço!!
      Az

      Excluir
  7. Importante iniciativa e apoio muito. Fará falta os ótimos filmes que disponibilizam aqui. Mas o momento é realmente muito delicado para ficar de olhos tapados. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Henrique. Espero voltar em breve, me faz falta também. Sigamos...
      um abraço!
      Az

      Excluir
  8. Olá Az! Caro amigo virtual
    Embora considere os motivos que levaram você a essa decisão, reais e legítimos e, nesse momento, até necessários; embora entenda que o compromisso com a manutenção do blog deva ser algo que exija bastante, ainda sim, não tem como não ficar triste com essa notícia, pois é bonita a sua gentileza em disponibilizar filmes e contribuição de garimpar aqueles que estão à margem dos grandes holofotes.
    Acredito na diversidade de frentes de atuação, nesse sentido, posso dizer que o seu blog já é uma frente de resistência e atuação, é uma janela entreaberta, embora esteja agora na possibilidade de se fechar.
    Sei que o sistema da internet vai ter alterações para questão de transferência de dados, entre os dowloads e uploads, etc, sei o quanto isso vai complicar a vida dos torrent (istas)s de plantão, mas, por outro lado, sei que encontraremos alternativas, afinal, não é nós por nós? Se não for nós? O que será de nós?
    Sou apenas uma entre aqueles que aqui frequentam, sempre encontrei aqui espaço para falar de cinema, de filmes, diretores, de ideologias, ainda que sabendo pouco ou quase nada e tendo muito que aprender. Obrigada por me permitir brincar com as palavras e pensamentos em sua casa.
    Enfim, não precisa ser 366 pode ser 66... 36... 6... 3. Mas, se ainda assim for difícil, que pena! Às vezes precisamos entender que não é uma página que se vira, mas um capítulo que se conclui, um livro que se completa. Ainda assim  , era um prazer dar meus pitacos aqui e ler seus comentários.
    Como cinéfila vou, como de costume, dar passadinhas por aqui, quem sabe isso tudo seja um até breve.
    Vida longa para você e os seus ideais,
    Um abraço
    Soli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Soli! Você sabe que você faz parte desse blog, né!? É nosso e de quem mais quiser. A janela não se fechou, apenas está deixando o vento passar, com serenidade... Em breve - e espero que em breve as coisas se ajeitem - voltarei. Não vão se livrar de mim tão cedo, hehe.... mas precisava dar esse tempo e me posicionar, não tinha como fugir disso, não nesse momento (a)crítico!
      Até logo, de preferência num ambiente mais democrático, com mais fôlego e disposição pra labuta, que nunca tem fim.
      forte abraço,
      Az

      Excluir
  9. Caro Alex

    Uma das formas de contribuição contra os golpes, foi essa sua militância nesses 4 anos publicando e compartilhando ótimos filmes.

    Este golpe já foi vencido, mas outros virão. A consciência política é fundamental na resistência e o cinema é uma ferramenta importante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo, Roger. Espero que o blog e os filmes que aqui passaram tenham contribuído com essa formação política, da mesma forma que contribuíram com a minha. E também espero poder voltar em breve pra continuar o projeto...
      um abraço e obrigado pelo comentário.
      Az

      Excluir
  10. Grande Alex Pegna Hercog,
    Quem já era fã, se tornou amigo e parceiro de luta.
    Cada pequena atitude dessa como a sua, é um imenso gesto político para impedir um golpe arquitetado por todos esses que são contrários à democracia, às conquistas das classes inferiores e ao direito igualitário das minorias perseguidas. Lutemos aqui e nas ruas!
    NÃO VAI TER GOLPE MEU AMIGO!
    E tenho certeza, dentro em breve, poderemos contar novamente com suas magníficas postagens e sua grande contribuição para nossa cultura cinematográfica. Enquanto isso, temos 64 filmes para apreciarmos, (ou para que aprendam), o difícil, mas recompensador caminho da luta em favor da democracia e contra o fascismo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, meu velho. Bom saber que por aqui passam parceiros de luta. Espero, mesmo, que o golpe não ocorra e que também eu possa voltar em breve. Em tempos de fascismo galopante, o cinema é uma arma da qual não podemos abrir mão.
      Seguimos, na arte e na luta!
      abraço,
      Az

      Excluir
  11. Respostas
    1. Obrigado você, Luiza. :)
      Espero voltar logo, sim.
      abraço,
      Az

      Excluir
  12. Deixe-me ver se eu entendi...

    Você tem um blog que distribui um produto ilegalmente, sim este downloads são ilegais e tanto quem baixa quanto quem publica está cometendo um crime e é um criminoso.

    E em protesto a algo que você considera ilegal (ou inconstitucional, ou golpe, ou o que preferir) você, obviamente ciente da sua atividade ilegal, luta contra a ilegalidade no país.

    Só pode ser piada. E não venha com a historinha de que os parágrafos do artigo 184, falam em apenas a obtenção de lucro. O caput do artigo já fala que é crime seja qual for a intenção. Já prevendo que provavelmente você poderia tentar embasar o seu altruísmo nisto.

    Não sei o que mais me impressiona, a hipocrisia ou a cegueira!

    Por favor, me poupe deste discurso cheio de abobrinha!

    Fora esta tua "derrapada", gosto muito do blog. Parabéns! Hahahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo
      Estou respondendo seu comentário, porque eu “também” faço dowloads de filmes.
      Não dá para negar que você está dizendo uma verdade, pena que, por se apoiar no discurso da Legalidade, acabe por considerar que essa verdade seja absoluta. Verdade nem sempre significa uma justa realidade.
      Verdade depende de como se vê, e o fato de você frequentar, gostar e parabenizar o blog que acabou de julgar como ilícito, não seria, no mínimo, incoerente? Ou denota que você sabe reconhecer a máxima “nem tudo que é ilegal, é ilegítimo”.
      Sugiro a leitura: Legalidade e legitimidade – a busca do direito justo Júlio da Silveira Moreira http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=3080
      “Estamos conscientes de que as leis existentes e as convenções sobre direitos humanos não respondem às demandas populares e são inadequadas e até ilusórias na proteção dos direitos do povo”
      Enfim, se você não sabe o que impressiona mais se, a hipocrisia ou a cegueira, direi que o que me impressiona mesmo é a arrogante intolerância daqueles que enxergam como lhes convém quando o outro não compartilha das mesmas ideias.
      Quem sabe um dia a humanidade seja guardiã dos copyrights e patentes para que os humanos possam usufruir como bem comum.
      Soli

      Excluir
    2. Caro Anônimo Soli,

      Estou lhe respondendo, pois achei muito educada a forma como o fez em relação a opinião que emiti. E já de antemão agradeço a sugestão de leitura.
      Bom, para começar eu digo que concordo e muito contigo ao que se refere aos direitos humanos, os copyrights e patentes e etc.
      Mas acredito que não fui claro no meu objeto de crítica. Apesar de ter emitido uma opinião forte à respeito do posicionamento político do autor do blog, a minha crítica tem como direcionamento logo no início, não posicionamento político e sim a forma patética escolhida para realizar o protesto.
      Não estou de maneira alguma criticando a atividade principal do blog.Pelo menos não foi esta a minha intenção.
      Não tenho certeza se quando você fala em intolerância, você esta se referindo a minha opinião. Eu não acredito que poderia ser classificado como tal (e quem sabe como resposta jocosa você poderia dizer "deve ser a cegueira então" rsrs). Mas no seu caso não ficaria impressionado, temos tido muitos exemplos nestes tempos de discursos polarizados.
      Enfim, compartilho com você a esperança, ou o desejo de esperança que todos possamos usufruir das artes como um bem comum.
      Novamente agradeço a sua resposta.
      Chris

      Excluir
    3. Hahaha! Satisfação, Caro anônimo Chris.
      Eu nem iria novamente comentar aqui, mas diante de uma possível irônica ambiguidade que “avistei” em sua fala sobre “cegueira”, “vi” que valia a pena comentar, não só para agradecer ao que me toca, mas sobretudo à sua civilidade.
      Foi bom “ver” que você concorda comigo em alguns “pontos de vista”. Foi bom você poder “rever” que sua colocação tenha sido forte, foi um avanço, sinceramente eu nem esperava tanto. Afinal, ideias se constroem com argumentos e não com ofensas, gentilezas são necessárias até para os simples comentários.
      E assim, ainda que as cegueiras continuem a impressioná-lo ou não, ainda que os nossos argumentos pareçam bons ou não tão, que as formas de se expressar sejam as mais adequadas ou não, é certo que sempre poderemos rever aprender para elaborar mais apropriadamente, digo isso porque acredito que o humano pode, cada vez mais, se humanizar ou desumanizar é uma escolha nossa o modo como tratamos e queremos ser tratado pelo outro, independentemente das idiossincrasias que cada ser carrega, acredito sim que pode se sair da caixinha dos opostos incompatíveis para se pensar em outras alternativas de entender o mundo e viver as relações humanas.
      Enfim desculpe a prolixidade e obrigada por dispor do seu tempo e atenção para com que escrevi. Espero que fiquemos assim anônimo Chris vejamos um bom filme, aqui tem de monte, afinal estamos no lugar certo.
      Ps em tempo:
      Olá Az!
      Quero agradecer em meu nome e, por tabela, em nome do anônimo Chris, se ele assim concordar, por termos usado esse espaço no seu blog para trocar alguns comentários.
      Vida longa às artes e, dentre elas, a Política.
      Vida longa ao blog se assim você desejar.
      Soli

      Excluir
    4. De pleno acordo Anônima Soli!

      Obrigado Az pela gentileza!

      Apenas comentando brevemente, achei excelente o jogo de palavras que fez com o verbo ver, suas derivações e a palavra cegueira. É raro ler comentários na internet tão bem escritos. Mas não irei me estender mais neste comentário, acho que podemos dar por encerrada esta troca de ideias.

      Ótimos filmes para todos nós, aqui realmente há uma infinidade deles!

      Foi um prazer fazer esta troca com você Anônima Soli!

      Chris

      Excluir
  13. Parabéns pela posição!
    Não vai ter golpe!

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde. Conheci o blog quase tarde demais, ou seja, faz apenas 3 semanas que pude navegar pelas páginas antigas e perceber o imenso acervo de sugestão de filmes que você se dedica a nos brindar. Meu muito obrigado pelo empenho do trabalho e talento de conhecer obras tão bonitas.
    Dirceu [do RS]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado você, Dirceu. O blog segue no ar e acredito que em breve voltarei... nessa intervalo dá pra você curtir o acervo.
      Um abraço pra vc e pro meu querido Rio Grande do Sul!

      Excluir
  15. Amo o blog, espero que volte a atualizar mais tarde!
    Enquanto isso vou ver esse pacotão, de filmes e documentários e entender um pouco mais de Brasil (afinal, conhecimento nunca é demais) e após isso vou tentar acompanhar o blog desde o início.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Henrique. Também espero poder voltar em breve.
      Boa passeada pelos filmes...
      abraço!

      Excluir
  16. Bom dia, broder. Obrigado por alimentar esse blog por tanto tempo, pois trata-se de um excelente blog. Compreendo sua posição e concordo contigo. Só uma questão, nessa última postagem, você não disponibilizou os links desses filmes. Achei que fosse disponibilizar justamente para a galera ter acesso e perceber a partir de diferentes perspectivas os problemas socio-históricos de nosso país. Estou interessado e assistir a vários que estão na lista, mas são difíceis de encontrar. Se puder fazer essa gentileza, agradeço. De todo modo, obrigado pela criação e manutenção do blog por tanto tempo com excelentes filmes. Força pra nós que lutamos pela democracia. ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, meu velho. Também te agradeço pelas palavras.
      Legal a ideia de jogar os links. Vou tentar fazer isso durante a semana... de qualquer forma, não sei se você conhece, mas te indico o www . filmow . com , acho que lá deve ter informações de todos esses filmes. Mas vou por os links tbm...
      Um abraço e até breve... que a democracia prevaleça!

      Excluir
  17. Caro Az,
    Se é referente ao Impeachment da Presidente do Brasil que você chama de "golpe", sugiro que leia o inciso V do artigo 85 da Nossa Carta Magna, seguido do artigo 9º, inciso III, da lei 1.079.
    Filmes são legais, mas livros também.
    Você pode entrar no mérito sobre se ela possui culpa ou não, mas dizer que é golpe é ignorância (no sentido de desconhecer algo).
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo,
      Impeachment sem crime cometido, apenas se valendo de um fundamento legal para "legalizar" a manobra meramente política é golpe.
      Filmes, livros e constituição federal são fundamentais, mas senso crítico e malandragem também.
      Eu não sou ingênuo, nem tão ignorante assim para achar que os políticos e partidos estão se valendo do dispositivo legal do impeachment para apreciar o caráter criminal das acusações contra a presidente.
      Votar pelo impeachment por Deus, pela família, pela neta, pelo cachorro e pelo papagaio não está na Constituição. Votar considerando que houve um crime de responsabilidade, aí sim teria.
      Como não há crime, não a legalidade no impeachment. Sobretudo quando toda a manobra e articulação política está sendo feita por uma maioria corrupta, que não deveria ter legitimidade nenhuma em julgar supostos crimes de terceiros.
      Você pode entrar no mérito sobre se ela possui culpa ou não, mas dizer que não é golpe é ignorância (no sentido de desconhecer algo) ou oportunismo (no sentido de deturpar um dispositivo legal para justificar uma manobra política).
      Um abraço e obrigado pela educação em debater.
      Az

      Excluir
  18. Não vai ter golpe, vai ter impeachment

    ResponderExcluir
  19. Meus parabéns pela atitude frente ao golpe (utilizar um instrumento legal da Constituição de forma arbitrária para atentar contra a democracia é golpe!). Tod@s temos que ter coragem de assumir publicamente nossa posição pela democracia.
    Gustavo Acioli.

    ResponderExcluir
  20. Este é seguramente o melhor site de cinema do Brasil. O resto é apenas entretenimento. Este é Reverência e referência. Obrigado por estes anos, e espero que o futuro nos aguarde sua volta.

    Entendo seu posicionamento político, pois como estudante de economia não concordo com o governo em sua política macroeconômica (não estou falando de programas sociais), assim como não concordo com o impeachment, pois as pedaladas são passíveis de recriminação, mas estão naquele campo entre o imoral e o legal ao qual não existe definição. Sendo bastante sincero com você, acredito que a presidente tem responsabilidade pelo impeachment no que toca ao tabuleiro da política: não subestime seus oponentes. Ela deveria ter tomado um posição de defesa e espera destes ataques. Aliás, o PT deveria ter tomado esta posição: não defender os militantes condenados (Dirceu e Genoíno), e se reinventar para não se deixar parecer contra o "grito de justiça" inflamado NO povo.

    No mais, admiro seu posicionamento. Você é uma pessoa sensata do tipo que tem feito falta neste país. Um grandessíssimo abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitíssimo obrigado, Ali. Concordo com tudo o que você disse, exceto no primeiro parágrafo - tenho minhas dúvidas, mas ainda assim te agradeço, com um sorriso largo no rosto. :)
      Obrigado pelo comentário e até breve.
      Az

      Excluir
  21. Sou um daqueles que nunca deixa um comentário, mas que sempre faz uma visita. Também lamento o momento político que vivemos, mas venho aqui para louvar o site e dizer que o trabalho abnegado é digno de muitos elogios, de verdade. Parabéns e desejo a volta dos trabalhos em breve!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Lisânio. Logo logo eu tô voltando... não sei se vou conseguir manter o mesmo ritmo das postagens, mas voltarei. E seja sempre bem-vindo pra fazer suas visitas.
      um abraço,
      Az

      Excluir
  22. Olá Az, boa tarde!
    Já que sou de carteirinha, uma presença nos comentários do blog, tô aqui fazendo um pedido apesar de um tudo bem, concordo com opção de manifestação de cada um, mas sugiro por questão de utilidade pública que você deixe aqui a comunicação de Adolfo Perez Esquivel que demonstra com um olhar de fora, pode trazer a razão de que está acontecendo é mesmo um golpe . Todos os espaços são espaços de luta de denúncias. Não perca os espaços, para não perder a voz.
    https://www.youtube.com/watch?v=dxUOA2e7pGU
    um abraço
    Soli

    ResponderExcluir
  23. Uma pena, frequento o Blog há muito tempo e não me lembro de já ter deixado um comentário, é triste ver mais um blog de filme deixando de funcionar. Entendo seu posicionamento político, mas não compreendo como esse gesto vá alterar qualquer coisa no cenário político, sério, a política brasileira não é motivo para acabar com o serviço cultural tão belamente prestado por você. Acredite, amanhã nada mudará, com golpe ou sem golpe, isso é tudo bobagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sérgio. Bem... de onde eu venho, vejo o quanto as coisas mudam, para melhor ou para pior, e o quanto isso atinge muita gente. Por isso não acho que seja bobagem. Não sei se esse gesto vai mudar muita coisa, mas é o máximo que posso fazer através do blog. Fora dele contribuo de outras formas e o tempo "livre" tem sido necessário. Mas o blog não acabou, segue no ar e logo logo eu tô de volta.
      abraço,
      Az

      Excluir
  24. Oi. Tb sou dos que frequentam o blog e nunca comentam. Apoio sua posição, que é a mesma que a minha. Nossa democracia, como já é história, durou pouco. Foi o maior período democrático, mas durou menos de 30 anos. Temos agora um regime democrático de fachada (votar pra quê, se basta um pretexto pra se jogar um mandato no lixo?), e as coisas parecem que vão piorar. Mas posto este comentário apenas para agradecer pelo seu blog e para me solidarizar com vc. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! :)
      O blog está de volta. A luta segue.
      grande abraço,
      Az

      Excluir